Couço

Freguesia do concelho de Coruche


Contactos da Junta de Freguesia:
Morada: Rua de Angola - 2100 - 320 COUÇO
Telefone: 243 650 178
Fax: 243 650 225

 
Descrição da freguesia:
Situada na margem esquerda do rio Sorraia, na confluência do Sor e do Raia, a freguesia ocupa uma área de 350,2 km2, o que faz dela uma das maiores do país e a segunda maior do concelho de Coruche dista de 23 km da Vila de Coruche.
 
Não se conhece a data exacta da criação da freguesia mas sabe-se que, ao tempo do "Cadastro da População do Reino", iniciado em 1527 e concluído em 1532, Santo António do Couço era uma das quatro paróquias já existentes, isto para além da vila de Coruche. Este censo não indica a sua população e só vamos ter conhecimento da mesma em 1758 quando o pároco da freguesia dá a sua "resposta aos interrogatórios" do Marquês de Pombal, com destino à elaboração do "Dicionário Geográfico" do Pe. Luís Cardoso:
"
Esta igreja de S. António do Couço he parochia está na Provincia do Alentejo e no Arcebispado de Evora na Comarca de Aviz termo de vila de Coruche; He DelRei; Tem 193 fogos e pessoas 656; Está cituada em planice. So dela se ve a freguezia de Sanata Justa termo da vila nova da Erra; (Couço) não tem lugares e só a aldea junto a igreja."

Ficamos ainda a saber que nessa altura a freguesia já tinha juiz e escrivão das vintenas, servindo-se do correio de Avis. Nos seus terrenos cultivava-se trigo, centeio, cevada e "em alguns a maior abundancia he de milho". Comparando as respostas do pároco de Couço com as do de Erra, verifica-se que esta última, apesar de vila e cabeça de concelho, já em decadência, apresentava uma menor população, constituída por 598 habitantes residentes em 205 fogos. Deste total do concelho de Erra, à freguesia apenas pertenciam 109 habitações e 436 pessoas, do que se infere ser o Couço um aglomerado populacional mais importante.

Essa importância ia-se paulatinamente consolidando, fazendo com que a freguesia de Couço atravessasse incólume o difícil período de 1836 a 1936, que provocou grandes alterações administrativas no concelho, reduzindo-o a apenas duas freguesias: Coruche e Couço. O facto de esta se manter inalterável é o indicador do progresso verificado a partir de meados do século XIX, devido, em primeiro lugar, a uma considerável valorização dos cereais, e, posteriormente, à sua cortiça, considerada das melhores do mundo.

Igualmente relevante é a atividade industrial que levou à criação de uma zona industrial própria, tendo em vista o ordenamento da povoação e possibilitar aos empresários o pleno desenvolvimento da sua atividade, beneficiando de ótimas condições rodoviárias para escoamento dos produtos. Com tudo isto as potencialidades comerciais da freguesia foram exploradas, tendo esta atividade crescido rapidamente, desempenhando hoje um papel importante.

Os atrativos desta freguesia são vários, desde os naturais aos monumentos megalíticos (antas, antelas, cistas), passando pelas igrejas. A atual igreja existente no Couço foi construída em 1947 e inaugurada em 1948. Foi mandada construir pela família Henriques Silva e o terreno doado pela família Barreiras. O pároco que acompanhou a construção da mesma foi o Sr. Manuel Fernandes. É um edifício de grandes proporções e de construção recente. 

Igreja de Santa Justa é, por sua vez, um templo de tipo rural alentejano, com um baptistério atinente de cobertura cupulada. Nave e capela-mor de tectos de madeira, altar-mor e dois laterais.
Orago
Santo António
 
Atividades económicas
Agricultura, oficinas mecânicas e comércio

Festas e Romarias
  • 1.º de Maio e 25 de Abril
  • Semana Cultural (1.ª semana de julho)
Património Cultural e Edificado
Outros pontos de interesse turístico
  • Pista de pesca de Santa Justa
Gastronomia
Bucho à moda do Couço, sopa de bacalhau, feijão frade com morcela, doce de mel
com pinhão e bolos de pinhão
 
Artesanato
  • Trabalhos em cortiça, tapeçaria (tapetes de Arraiolos) e bordados
 
Terça, 21 de Fevereiro de 2017
De momento não existem Sondagens activas.